30 de jan de 2010

Bate papo/01.

Yahoo! Messenger, Suka e eu, setembro/2009.

Taty: a Ilca mandou um email ao Rodrigo da net, com cópia pra mim. (...) Aí, eu fui ler agora e vi que o email dele é: kellydesouza200(...) (!!!).

Taty: Tou mandando uma resposta, só pra ela: "Pq o email que ele usa é de uma mulher??? rsrs. Eu tenho uma explicação: durante o dia ele trabalha realizando essas instalações de internet e aí, durante a noite, ele vira "Kelly de Souza 200", famoso travecão da zona norte, conhecido por realizar apresentações em prol de comunidades carentes do Rio de Janeiro. O 200 em seu "nome de guerra" se deve ao fato de Rodrigo - ou Kelly - achar que 100 é pouco. Ele não é nada modesto e se acha 200. É isso aí, Rodrigo poooode!!!"

Suka: HAHAHAHAHA
Ri alto aqui

Taty: gente, eu devia escrever histórias. rs.

Suka: devia mesmo

Taty: talvez isso me desse mais dinheiro.
aí, eu poderia casar bêbada em las vegas! \o/
(olha as ambições q a pessoa tem na vida)

Suka: você poderia virar escritora em las vegas. uhuu
ia ser superchique

Taty: ou iés!

26 de jan de 2010

Poeminha/35.

Sobre certas coisas
A gente cala
Sobre certas coisas
A gente não diz
O quanto queria
Ou o quanto esperava
E o quanto tudo
Ficou por um triz
Sobre certas coisas
A gente imagina
E sobre certas coisas
A gente se ilumina
E a nossa idéia
Nos leva a agir
Sobre certas coisas
A gente pondera
E sobre certas coisas
A gente espera
Que venham e que sejam
E que sonhem com a gente
Sobre certas coisas
O melhor é barulho
E sobre outras
O melhor é canção
Sobre certas coisas
Te digo que sim
E para outras
Só resta um não
Sobre certas coisas
A gente esquece
E sobre certas coisas
Se finge esquecer
Sobre certas coisas
A fé aparece
E sobre outras
Só resta viver.

TF* - Set/2009.

25 de jan de 2010

Retorno/01.

Há teias de aranha e roupas espalhadas pela casa.
A louça já está seca e pronta para ser guardada há um mês.
Um mês. Esse foi o tempo que passei entre Navegantes (SC) e Curitiba (PR).
E agora, de volta à cidade que relutei em chamar de lar, eu sinto o verão carioca na pele e nos olhos.
A cidade está com cheiro, som, gosto e forma de Carnaval.
As chuvas vêm e vão. As pessoas continuam insanas, muitas falam sozinhas pelas ruas. Já tive medo delas. Hoje, costumo fingir que não estou olhando e nem ouvindo.
O Rio é caótico, é louco, é maravilhoso... e é um pouco meu, sim.
Senti como se fosse recebida de braços abertos.
De repente, me apaixonei novamente por tudo. Pelas paisagens, pelo Pão de Açúcar, pela Lapa, tão suja e tão movimentada, mais boêmia impossível. Não sei se esse namoro com a Cidade Maravilhosa irá durar muito. Minha relação com o Rio é cheia de percalços e, por incrível que pareça, eu gosto disso.
Como diria um certo poeta: "Que seja eterno enquanto dure".
Eu estou de volta.

20 de jan de 2010

Começo de ano/02.

Well, well, estou viva e bem.
Depois de cair de uma escada e pegar piolho em Santa Catarina, viajei para Curitiba - onde me perdi, me encontrei, tomei uma chuva no ônibus turístico, fiquei gripada e, claro, fui ao casamento da Su! :)
O casamento foi no sábado (dia 16/01) e foi lindo! :D O lugar (Restaurante Maggiore no Parque Barigui) era muito bom, as músicas que tocaram eram óóótimas e os doces... hum!! Pecado!! E olha que nem gosto de doce. Dudu e eu não dançamos muito porque fomos dar umas voltas no local e depois nos refugiamos no sofá de um outro salão.

E Curitiba? Nossa, o que dizer da cidade... Tenho passeado um bocado!! hehe. Reencontrei o Flávio, depois de 02 anos e meio (a última vez que nos encontramos havia sido em Recife) e ele me levou para beber no Largo da Ordem, num barzinho chamado Tuba's, com a namorada dele, Estela. No meu retorno até o Bairro Alto, passamos pelo terminal do Cabral, onde descobri, quem diria, uma latrina TURCA!

Aliás, falando em turcos, um passarinho me contou que há alguns instalados na cidade e que eles têm lojas no Centro. Pensei seriamente em passar em alguma delas para dizer "Selam. Nasilsin?" hehe. ;)

Fico ainda mais alguns dias. Mas confesso: apesar do divertimento, do novo que me espera a cada dia que saio em Curitiba, estou com saudade do Rio caótico, boca suja e maravilhoso. Quem diria... Parece que estou com saudades de casa.

10 de jan de 2010

Poeminha/34.

Paixão
Criatura insana
De mim, fiques afastada
De ti, não quero nada
Tampouco tua presença
Só restou minha indiferença
Falta espaço em mim para o teu deleite
Então, suplico: por favor, aceites
Que esta guerra está perdida
Paixão, aqui se encerra
A nossa parceria bandida.


TF* - Maio/2005.

8 de jan de 2010

Poeminha/33.

Não sou mais boba alegre
Ontem a noite, tive febre
Ampolas de injeção
Para acalmar o pulmão
Mas o meu coração
Sei que ninguém socorre
E a cada dia que passa
Ele morre, morre, morre...


TF* - Fevereiro/2009.

5 de jan de 2010

Começo de ano/01.

Não bastava eu ter caído na véspera do ano novo, agora me aconteceu outro "pormenor" durante a estadia em Santa Catarina: eu estou com piolho!!... AAAAAHHHH!!! #prontofalei.

Pior que nem sei direito onde peguei. Acho que foi na lan house onde tenho vindo sempre (usando os fones). Mas também me ocorreu outra hipótese. O filho do Roni tem 04 anos e criança costuma ter piolho, certo? Então, eu mal tive contato com ele e nem o vi coçando a cabeça nem nada, mas... assim que Roni e família foram embora de Navegantes, Dudu e eu fomos dormir na mesma cama onde o menino dormiu. Quem sabe o piolho-mãe estava lá no colchão.

Eu descobri que estava com piolho ontem. Acordei com um calor da peste e a cabeça coçando pra caramba. Daí, cocei e cocei e debaixo das minhas unhas (enormes já), vieram 02 piolhos!! ARGH!!! Depois que o Dudu acordou, nós fomos até a farmácia comprar remédio, eu passei e também usei pente fino até meu couro cabeludo ficar roxo.

Após passar o remédio, eu nem saí mais de casa. Fiquei deprimida e antisocial. Hoje, passei pente de novo. Detalhe: todos os piolhos que encontrei eram filhotes - com exceção da "mãe". Vou continuar passando o pente até me certificar de que não tem mais nada. E se duvidar, vou comprar outro vidro do remédio.

Gentem, que mais falta acontecer? Acho que daqui a alguns dias, vou acabar quebrando um braço ou algo assim :/ Esses pequenos causos acabaram me lembrando uma outra viagem com passagens bizarras/chatinhas: a primeira vez que eu fui ao Rio. Nossa, não tem como esquecer de quando o ônibus quebrou no meio do nada, não tem como esquecer do odor horrível de maconha e cola (culpa dos manés que viajavam conosco e ficavam se drogando no banheiro) e, por fim, também é impossível esquecer o caos que se formou quando a privada do banheiro do ônibus começou a transbordar... Mas outro dia, eu dou mais detalhes disso tudo por aqui.

Hora de ir para casa passar o pente de novo!!!... Ó vida.

3 de jan de 2010

Resenhas/02.

Livro: Julie E Julia, de Julie Powell.

Eu li em "Julie e Julia" e concordo que coragem é "abrir um calabouço sadomasoquista em plena Manhattan". Mas deve-se dizer que cozinhar também é coragem, como nos mostrou Julie Powell.
Julie cozinhou com algo além das mãos; cozinhou com alma, coração, vísceras, loucura e um desespero que surpreendentemente não a atrapalhou. Quer dizer, talvez um pouco. Mas isso não foi suficiente para fazê-la parar. Pelo contrário! Ela seguiu com o Projeto Julie/Julia e o levou além. Que bom. Assim, não perdemos a oportunidade de acompanhar suas aventuras culinárias nesse livro que só pode ser descrito como DELICIOSO!

Tatyana França - Dezembro/2009.

2 de jan de 2010

Fim de ano/03.

Bom, meu ano novo em si foi bacaninha.

Mas vamos começar de onde eu parei!
Ah, sim... Minha queda, vários hematomas, eu não podia nem sentar direito, ó vida cruel. Lalaiá.

Depois que o Dudu me ajudou a levantar, eu fui até o banheiro, para trocar o short molhado. E o chamei pra que ele me dissesse como estavam minhas pernas e minha bunda. E aí, ele entrou, falou que estava tudo vermelho e falou toooodas aquelas coisas que já citei no post anterior. Mas deixei de citar uma. Lá pelas tantas, ele disse:
- E agora, como a gente vai...?

Gentem, ele falou um pouco mais, porém eu prefiro amenizar e deixar a frase incompleta, haha. Para bom entendedor, basta!

Claro que se outra mulher ouvisse isso, teria tido um ataque:
- Filho de uma égua! Você não tem dó de mim?! Acabei de cair de uma escada e você está pensando em como a gente vai...!! Ah, não acredito!! Hoje, você vai dormir no sofá!

Sinto contrariar possíveis expectativas, mas eu não sou assim. E parei para pensar e lógico que, depois de anos praticando de forma primitiva e voraz todas as posições do Kama Sutra, eu achei uma solução. Aliás, achei várias soluções. Mas, como diria uma personagem da TV: "Prefiro não comentar!".

Tá, tá, essa coisa de Kama Sutra é brincadeira, mas eu sou alguém que sabe encontrar saídas para casos dessa natureza.

Mais tarde, enquanto Dudu passava Gelol em mim, eu comentei a frase dele e tudo mais e ele disse:
- Taty, eu estava brincando!! Você levou a sério?

Depois, eu fui deitar um pouco e ouvi vozes. Tínhamos "visitas"!
Era o Roni, um dos caras que está trabalhando com o Dudu. Ele tinha ido para casa (Curitiba), para ficar com a família durante os dias de folga. Mas lembrou do Júlio, pensou na casa praticamente vazia, perto da praia e decidiu trazer todos para a festa de Réveillon.

Então, na véspera do ano novo, estávamos em 08: Roni, Juliana (esposa dele), Leonardo (filho), Amanda (sobrinha), Gustavo (irmão do Roni), Júlio, Dudu e eu.

Após o jantar, partimos para a praia. Roni e a esposa decidiram ficar em casa, pois o filho estava com sono.

Na praia, temi ficar surda por conta do som dos 327.872.387 carros que estavam parados na avenida. Depois, temi ficar cega, por causa dos 984.792.384 quilos de areia que atingiram meus olhos. Todos estavam incomodados com a areia. Para descontrair um pouco, inventei o passinho de limpar os olhos.- Você dança e tira a areia! Dança e tira a areia. E pode fazer variações! Dança, tira a areia e vai girando...
Amanda logo aderiu. Bom, na verdade, ela foi a única. Que boa pessoa ela é. Não me deixou dançar sozinha.

Não demoramos para retornar. E depois que voltamos, eu desmaiei. E dormi contente, pois não choveu e a queima de fogos não foi cancelada. ;) (iupi!)