28 de out de 2009

Caronas/3.

Foi mais ou menos assim: a Angélica chegou na minha antiga casa, de mochilinha nas costas e tudo, e me chamou para viajar para Paracuru (terra natal dela). Eu falei que não poderia ir, por pura falta de dinheiro, mas ela não se deu por vencida: "Arranja o dinheiro para ir e voltar, que o resto das coisas nós temos lá". E tínhamos mesmo. Desde criança eu vou para Paracuru e desde criança fico na casa da tia dela. No problems ;)
Fiquei logo com uma louca vontade de ir e acontece também que odeio recusar convites para viajar. Então, pensei em outra forma de chegar até a cidade - porque não queria pedir o dinheiro de ida e volta para minha mãe.
- Angélica, já te contei do paraibano que conheci que pegou carona pra chegar em Fortaleza saindo de João Pessoa?
- Já.
- Então... Podemos fazer a mesma coisa, cara! Topa?

Depois de convencê-la de que essa seria uma boa altenativa (meu Deus, foi tão fácil!), Breno e Deb apareceram para me visitar, assim de surpresa mesmo. Contamos nossos planos mirabolantes a eles e eu aproveitei para perguntar ao Breno se ele sabia um "bom ponto" para que pudéssemos pedir carona.
Ele nos indicou o lugar - um posto no meio da estrada entre Fortaleza e Caucaia. Então, mochilas arrumadas... Paracuru nos aguardava!

No dia seguinte, tomamos um ônibus até o local que o Breno havia indicado, encontramos o posto e foi próximo a ele que paramos com nossas bolsas.

Me lembro bem: eu estava de cócoras, pegando alguma coisa na mochila. Devia ser o spray de pimenta. Anyway, eu estava com as mãos ocupadas e alguns carros estavam vindo, então a Angélica não perdeu tempo e esticou o polegar. E na primeira esticada, um carro parou.

Era um homem de aproximadamente 45 anos, que estava sozinho.
- Para onde vocês vão?

Nos entreolhamos, pois nós é que devíamos perguntar aonde ele ia. E perguntamos:
- Para onde você vai?

Ele insistiu:
- Me digam para onde vocês vão.
- Paracuru.
- Então, entrem aí que eu levo vocês.


O nome dele era João. Conversamos durante todo o trajeto. Ele contou que costumava dar carona e, inclusive, já tinha arranjado algumas "namoradas" assim. Contou que morava em Icaraí (praia de Caucaia, região metropolitana de Fortaleza) e tinha um filho adolescente que gostava de surfar. Contou que estava mesmo com vontade de ir à Paracuru, "quanto tempo não apareço lá!", e claro, se insinuou para nós, mas nada que nos fizesse saltar do carro em movimento. Ha-ha.

Já em Paracuru, ele nos levou à praia, onde, à convite dele, comemos caranguejo, bebemos cerveja e assistimos ao pôr do sol. E depois, nos deixou no local combinado. João nos convidou para ficar em Icaraí, na casa dele. Disse que poderíamos ir no dia seguinte. Ao se despedir, falou:
- Não esqueçam: se mudarem de ideia, podem me telefonar. Venho aqui buscar vocês.

Seguimos para a casa da Zuleide (tia da Angélica) prometendo que nossa próxima carona seria de Fortaleza para Recife, o que nunca aconteceu, pois 02 meses após essa aventura, a Angélica se mudou para a Suíça.

A Zuleide não soube exatamente como chegamos, mas creio que adivinhou. Ela se apiedou de nós e nos deu dinheiro, para ter certeza que voltaríamos de ônibus.

E no mais, só posso dizer que aquele feriado de junho de 2007 foi muito bom e que nunca mais vimos o João. Não mudamos de ideia.

27 de out de 2009

Caronas/2.

Era carnaval e, para variar, nós não tínhamos muito dinheiro. Para preencher uma tarde, saímos sem rumo.

Éramos Fabrício e Taty ou apenas mais dois jovens andando na beira de uma estrada.

E andamos, andamos, andamos.

No caminho, pulamos o muro de uma fazenda só para ver como ela era por dentro, eu comi goiaba verde e achamos uma outra fazenda com lhamas. Gentem, uma fazenda com lhamas no interior do Ceará não é coisa comum - ainda que o dono seja um ricaço. Ficamos impressionados, eu queria brincar com os bichinhos, mas se me lembro bem o Fabrício achou que eles poderiam comer a minha mão. Tiramos fotos deles e fotos nossas na estrada. E aí, decidimos voltar.

Então, a preguiça apareceu. E surgiu a ideia de pedir carona no bom estilo "polegar esticado".

O primeiro carro passou direto. E o segundo. E também o terceiro. Mas aí, depois de mais algumas tentativas, um carro parou.

Era uma caminhonete e o motorista logo perguntou:
- Estão voltando para Guaramiranga?

Estávamos. Era essa cidade que nos abrigava naquele feriado de 2007.

Na volta, tudo calmo... Fim de tarde, o vento batendo na nossa cara e as pessoas na caminhonete conversando. Em 15 minutos descemos, agradecemos e eu comentei com Fabrício que achava que esticar o polegar só dava certo nos filmes (agora sei que não!) e que aquela tinha sido, enfim, a minha primeira carona com um desconhecido.

23 de out de 2009

Poeminha/24.

Escrevinhadores não vivem de flores
Mas garantem dar asas às palavras
Torná-las mágicas como uma paixão,
Como uma manhã de primavera ou uma noite de verão
Escrevinhadores, meus senhores,
Mexem com as emoções!
Atiram carne aos leões!
São peões da linda arte que é escrever
Escrevinhadores descrevem alegrias e dores
Enchem o mundo de cores
Num simples ato de criar frases e amores.


TF* - agosto/2005 (Escrito enquanto eu lia pela primeira vez o maravilhoso "Tia Julia e o escrevinhador").

21 de out de 2009

Caronas/1.

Foi assim: eu tinha 13 anos e estava hospedada com minha mãe na casa de uma amiga de classe, a Fabíola. Os pais da Fabíola moravam numa cidade serrana do Ceará, chamada Aratuba.

Numa noite, tivemos que nos locomover até uma localidade, creio que na zona urbana - a casa da Fabíola ficava na zona rural. Pegamos carona com um motorista conhecido, num caminhão cuja caçamba estava cheia de gente.

Era uma muvuca só. Gente falando, rindo, em pé ou sentados, e todos indo de um lado para o outro a cada curva. Eu me lembro bem que naquela noite o céu se mostrou mais limpo e estrelado que nunca. E na confusão de vozes que se fazia ali, eu estava quietinha, olhando para o céu e imaginando que poderia viver para sempre andando numa boléia de caminhão.

20 de out de 2009

Dia do poeta!

"Como todo mundo tem mais o que fazer, os poetas tornam-se incômodos". (Rubem Braga em Odabeb).

Poizé! Hoje, para que não sabe, é dia do poeta!

Mais cedo, Dudu estava na minha sala e comentei sobre a data com ele. Sorridente, me estendeu a mão e disse:
- Parabéns.

Esbocei um tímido “obrigada” e depois fiquei pensando nesses versinhos que eu faço aqui e acolá e se poderia ser chamada de poeta por isso. Bom, de qualquer forma, foi gostoso ser parabenizada, hehe.

Por falar em versinhos, vou republicar aqui uns versinhos que encontrei em meu antigo (e escondido) blog e que escrevi há exatos 05 anos, justamente por conta dessa data.

Antes de republicá-los, deixo aqui meus PARABÉNS a todos os poetas soltos nesse mundão!

Essa veia de poesia,
Presente em meu dia-a-dia,
É minha terapia!
Meu consolo em horas tristes,
Essa veia que salta e grita,
Por mim, jamais será contida.
Nem mesmo se faltar inspiração!
Só se acabar a força que tenho nas mãos.
E ainda assim, tenho voz.
Oh, sim, eu tenho voz
E alma de poeta.


TF – 20/10/04

15 de out de 2009

Diálogos memoráveis/1.

Hoje, na empresa, eu estava conversando com a Suellen pelo messenger do Yahoo!. Aí, ela queria saber sobre o embarque dela, se ela iria no projeto 01 ou no projeto 02.
- Eu devo embarcar em uns 15 dias, né?

Respondi:
- Estou confusa! Ai, agora eu não sei. Bom, eu posso perguntar pro Bento e, se ele disser: "Mas como você não sabe?!" - eu respondo: "É que estou tomando remédios pra controlar minha piromania e eles estão mexendo com minha memória. Sabe quantas vezes eu quis tacar fogo na Icsel só nesse mês?".

Não sei viver sem fazer piadinhas. Definitivamente.
E isso funcionaria bem num seriado, mas na vida real... tsc, tsc, tsc. Fica só no Yahoo! messenger mesmo, hehe. ;)

13 de out de 2009

05 anos sem Sabino.

Quando ele morreu, eu pensava nele há dias.
Quando ele morreu e eu soube, senti um nó na garganta.
Parece bobo, pois eu não o conhecia, mas quando ele morreu, quis chorar por ele como choraria por um grande amigo, mas contive as lágrimas, inexplicavelmente.
Quando ele partiu, também se foi alguma coisa em mim, alguma coisa que até hoje permanece indefinida e constante, ainda mais quando me perco em suas letras.

In memorianFernando Sabino, que “nasceu homem e morreu menino”.
* 12/10/1923 † 11/10/2004.

Promoção à vista!

Gente, eu adoro uma promoção. E se for para ganhar livro, eu adoro em dobro! :D
Portanto, este post é para indicar uma promo da qual estou participando:

Para concorrer ao livro Budapeste, de Chico Buarque:
É bem simples! Basta ir ao blog da Ângela e seguir as instruções!


E depois, é só torcer para ser sorteado! ;)

5 de out de 2009

Por amor.

Hoje, eu estava atolada de coisas para fazer, mas ainda assim, tive um tempo de passar aqui e contar umas coisinhas...

Nessa tarde, Ilca chegou na minha sala para perguntar alguma coisa. Eu já estava zonza de tantas informações e afazeres e disse:
- Posso desabafar? Isso aqui não dá pra mim.

Eu acho que ela ficou um pouco surpresa, perguntou o motivo.
E era bem óbvio - pra mim:
- Eu não amo isso aqui.

Ok, não trabalho por amor. Mas isso pode mudar. Deve mudar. E espero que mude. E quero fazer por onde a mudança acontecer nesse ponto.

Pelo menos nesse mês sei que farei algo por paixão, por amor, algo que realmente me interessa, me dá prazer; algo que pode estar no meu futuro, que pode ser meu futuro, por que não?

Eu vou DMP (dar meus pulos) e vou pagar R$ 300,00 paus, mas esse curso vai valer cada centavo ;)

4 de out de 2009

01 ano de blog!

Hoje meu blog completou 01 ano de existência! Aê!

Quem diria... Para alguém que já teve cerca de 05 páginas virtuais (incluindo tudo - blogs e flogs), essa nova página até que está com um tempo razoável de vida ;)

Que continue assim!...

Nessa semana, é provável que (se tiver tempo) eu faça algumas mudanças por aqui... hehe.

E é isso! Parabéns para meu cantinho! \o/

2 de out de 2009

Rio - sede das Olimpíadas de 2016! \o/

Acabou de passar na TV: o Rio foi escolhido como sede para as Olimpíadas de 2016! Eba!
Isso significa mais trabalho - para que fala inglês ou trabalha com construção civil, nem se fala!
Fora que vai rolar um show de comemoração por conta dessa escolha! E eu espero estar com meu malino. ;)

O de hoje, que pena, não deu pra ir. Fazer o que, né? A labuta me impediu, hehe.

Não tenho certeza absoluta de que estarei aqui até lá, mas se estiver, na boa... Espero estar trabalhando com algo na área turística: treinando o inglês e recebendo um tantão de gorjetas. (Isso me faz lembrar os tempos dourados de Helisight. Receber em euro era sempre bem vindo :P ).

Poeminha/23.

Coração bate tum tum
É alegria palpitando
Minha mente é só zum zum
Meu xodó está voltando.


TF* - 02/10/2009 (saído do forno!).

** Neste domingo, depois de 02 meses no Sul, o Dudu volta pra casa!!** \o/

1 de out de 2009

Poeminha/22.

Eu já esqueci a tua voz
Nada mais há entre nós

Já esqueci o teu sorriso
Que me fazia perder o siso

Esqueci como era boa tua companhia
A qualquer hora da noite ou do dia

Esqueci teu olhar
Mas às vezes, ainda sinto teu cheiro no ar...

TF* - Jan/2008.